Peterlongo se prepara para o Garibaldi Vintage

Vinícola estreia estande criado especialmente para o evento e participa da 11ª Edição

A centenária Peterlongo, que ainda em 1913 elaborou o primeiro espumante brasileiro, comunga do mesmo estilo que o Garibaldi Vintage, evento que movimenta a emblemática Buarque de Macedo, no centro histórico da Capital Brasileira do Espumante. Na próxima edição, marcada para 22 de março, a Peterlongo leva para a avenida, além de sua clássica eno bike, um estande que segue o charme do evento mais vintage da região, criado especialmente para este dia. Os brindes ficarão por conta dos espumantes da linha Presence, dos vinhos Terras e do suco de uva.  É chegar e conferir das 19h às 24h.

Entre prédios históricos e um clima inspirado nas décadas de 1920 a 1960, o estande exibe detalhes retrô que acompanham o estilo da já famosa eno bike e do próprio evento. Paletes e almofadas compõem o espaço que se completa com o melhor da gastronomia local, música, exposição de carros antigos intervenções urbanas e fantasias de época. Unindo o passado e o presente, a Peterlongo mescla a tradição de uma marca centenária com expertise na elaboração de espumantes com a inovação de uma fase voltada ao reconhecimento de produtos com excelência.

Um pouco de história

A história da Vinícola Peterlongo está intimamente ligada ao desenvolvimento da vitivinicultura brasileira. Quando chegou ao Brasil, em 1899, oimigrante italiano Manoel Peterlongo, trouxe consigo o conhecimento herdado de seu avô na metodologia difundida por Don Perignon, com o métodochampenoise. Assim, em 1913, ele elaborou o primeiro espumante brasileiro, dando início à história da bebida no Brasil. A vinícola é fundada oficialmente em 1915. A partir daí, o crescimento foi ganhando o mundo. A marca Peterlongo estava sempre presente em banquetes oferecidos pelo governo Getúlio Vargas e foi elogiada até pela rainha da Inglaterra, Elizabeth, ao visitar o Brasil.

O Castelo Peterlongo, hoje uma peça emblemática nessa história, foi construído em 1930 e por muito tempo serviu de residência da família. Sua arquitetura segue os padrões da região de Champagne, na França, e suas instalações serviram, nos últimos anos, de sede do varejo, recentemente inaugurado na estrutura original onde funcionava a expedição e a câmara fria, primeira da América Latina. O complexo conta, ainda, com uma cave subterrânea em pedras basálticas, a primeira do Brasil. Na época de sua construção, as caves foram projetadas com o objetivo de remontar o ambiente ideal para a preservação de champagnes, possuindo um túnel que capta o vento típico do Rio Grande do Sul e mantém a temperatura estável em seu interior.